Dica do Final de Semana – Teatro

Guerrilheiro_nao_tem_nome_-Flaviana_Benjamin_3-910x607

Com direção de Anderson Zanetti, a peça é inspirada no livro “MATA! O Major Curió e as Guerrilhas do Araguaia”, do jornalista Leonêncio Nossa, que teve acesso ao arquivo pessoal do major Sebastião Rodrigues de Moura, mais conhecido como Curió. Ele é considerado um dos maiores repressores da Ditadura Militar.

O autor revela com detalhes as torturas e assassinados de presos políticos praticados pelo regime militar na região do rio Araguaia, que corta os estados do Pará, Goiás, Tocantins e Mato Grosso.

A obra também cria um panorama histórico da ocupação desordenada da Amazônia e das tragédias que aconteceram no Bico do Papagaio e no sudeste do Para, como a exploração do ouro em Serra Pelada e os massacres de sem-terras.

A montagem mostra como alguns jovens que lutaram nessa revolução descobriram a relação existente entre as suas realidades individuais e as profundas contradições presentes na formação social do Brasil. Eles são motivados pelo sonho de criar uma sociedade igualitária, o contato com a cultura local e a solidariedade

Outros temas tratados são a injustiça social, a luta armada, a corrupção, o militarismo, a tortura e o coronelismo. O grupo investiga, ainda nesse trabalho, o teatro épico-dialético e o fazer teatral. O elenco conta com a participação de Gabriela Felipe, Leonardo Oliveira e Vanessa Biffon.

Organizada pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), a Guerrilha do Araguaia foi uma tentativa de instaurar uma revolução socialista na região da Amazônia, aos moldes das experiências cubana e chinesa. Os cerca de 80 jovens que lutaram nessa revolta foram massacrados pelas forças da Ditadura Militar. O episódio só ficou conhecido pelo resto do país depois da redemocratização.

Centro Cultural São Paulo (Sala Adoniran Barbosa): dia 28 de maio, às 19h, e dia 29, às 18h

Fonte: Catraca Livre

404